O Município: Histórico | Localização | Hospedagem | Gastronomia | Pontos Turísticos | Legislação

CARAUARI Aspectos Históricos A cidade de Carauari está localizada à margem esquerda do rio Juruá em terreno bastante elevado acidentado. O porto é franco, porém a ribanceira íngreme, vai se desmoronando devido o movimento impetuoso das águas do rio Juruá, que ali batem fortemente. Quando da primeira denominação, diremos: - Xibauá é o nome de uma ave da família dos xexéus. Também pode ser estudada com a decomposição da palavra em “Xiba”, dança, espécie de batuque, usado pelos negros e índios, ao som dos tambores; e “ua”, forma contrátil de “iua”, braço; de onde se deduz que xibauá, significa; braço ou batuque ou baqueta com que se toca o tambor. A palavra Carauari, é originária da língua geral ou nheengatu. A palavra é composta por “Cará” variedade de tubérculo comestível; e “Uari”, verbo cair, que entra na formação da palavra como oxítono Uari, Cará-Uári ou Cará-Uari “cará” que cai. Carauari, assim vem a ser uma variedade de trepadeira que produz tubérculos nos ramos, onde se desenvolvem, amadurecem e depois caem. Esses tubérculos são muito conhecidos pelo nome “Cará do Céu”. A polpa do cará do céu é de sabor adocicado, dando à mastigação uma impressão de uma substancia arenosa. Estudando a palavra, buscando a raiz ou radical da palavra Cará, como ensina Barbosa Rodrigues no seu precioso “Muiraquitã”, verificamos que, este radica de origem asiática, tão freqüente nos termos indígenas, significa pedroso, superior, soberano, que é o branco invasor do novo continente; e Uari ou Uári, formando a palavra arauari, que seria: - queda do poderoso. A denominação do município originou-se do lago “Carauari” que fica próximo à sede do município e liga-se por um canal ao rio Juruá. O rio Juruá, que era habitado primitivamente pelos índios Canamaris, Catuquinas e outros. Em 26.11.1910, pela Lei nº 641, é criado um Termo Judiciário com a denominação de Xibauá. Em 26.09.1911, pela Lei Estadual nº 683, é criado o município, com território desmembrado de município de Tefé, cuja comarca fica subordinada ao termo judiciário, e tendo por sede o povoado de Xauá. Em 27.12.1912 pela Lei Estadual nº 1.006, Xauá é elevado à categoria de Vila e a sede do município é transferida para Carauari. Em 25.04.1913, pela Lei Estadual nº 713, o município passa a denominar-se Carauari. No ano de 1920, nos quadros de apuração do recenseamento, o município de Carauari é constituído de cinco distritos, que são: Carauari, Juruá Puca, Marari, Manichi e Palermo. Em 05.11.1922, pela Lei 1.126, o termo de Carauari passou a subordinar-se à Comarca de São Felipe. Em 02.10.1928, pela Lei Estadual nº 1.397, é criada a comarca de Carauari. Em 28.11.1930, pelo Ato Estadual nº 45, o município é suprimido, anexando seu território ao município de Tefé. No ano seguinte, em 06.02, pelo Ato Estadual nº 234, o município é restabelecido. Em 1933, na divisão administrativa e territorial (de 1936-37), figura o município com um só distrito. O Termo Judiciário figura nas divisões a cima referidas subordinando a comarca de João Pessoa, ex- São Felipe. Em 02.03.1938, pela Decreto-Lei Federal nº 311 a sede municipal recebe Foros de Cidade. Em 05.03.1945, pelo Decreto nº 1.400, a Comarca de João Pessoa, a qual estava subordinado o termo de Carauari, passou a denominar-se Eirunepé. No quadro vigente no qüinqüênio 1944-48, fixado pelo Decreto-Lei Estadual nº 1.186, de 31 de dezembro de 1943, e modificado pelo de nº 140, de 5 de março de 1945, o Município figura com um só distrito, abrangendo quinze sub-distritos, que são: Carauari, Ipiranga do Juruá, Renascença, Concórdia, Santa Rosa, Ainajá, Imperatriz, Marari, S. Romã, Vista Alegra, Santos Dumont, Gaviãozinho, Soledad, Três Unidos, Aquidabã. Em 24.12.1952, pela Lei Estadual nº 226, é restaurada a comarca de Carauari. Em 25.04.1953, ocorre a reinstalada da comarca de Carauari. Em 19.12.1955, em virtude da Lei nº 96, o município perdeu os subdistritos de Itapiranga do Juruá, Renascença, Concórdia e parte do de Santa Rosa para o novo município de Juruá e parte do subdistrito Aquidabã para também o novo município de Envira. Em 10.12.1981, pela Emenda Constitucional nº 12, parte do território de Carauari é desmembrada, em favor do novo município de Itamarati. Sobre a criação do município de Carauari existe controvérsia motivada pela falta de clareza da Lei n º 76, de 8 de dezembro de 1984. O fato é que a citada Lei dá como sede do novo município o lugar São Felipe. Nenhuma das duas sedes do município foi elevada à vila e nem o município teve uma denominação definida. No mesmo ano, a Lei nº 133 de 5 de outubro, eleva o Termo Judiciário de Carauari à Categoria de Comarca e para esta foi nomeado Juiz de direito o Dr. Jorge Augusto Studart. Autorizado pelo Governo a rever os limites dos municípios do Estado por Lei nº 160 de 23 de junho de 1986, foi lavrado o Decreto nº 122, de 7 de agosto do mesmo ano, fixou as divisas do município de Tefé com o de Carauari, colocando, entretanto, a sede deste, dentro do território daquele, uma vez que fixou a foz do rio Tarauacá como ponto de divisas. O decreto nº 122, criado, definiu a situação do município de Carauari; porém devido àquela irregularidade, surgiu o Decreto nº 125, de 11 de agosto de 1986, que transfere a sede do Município de Carauari, para São Felipe. Nova confusão, porque o Município de Carauari, nesta nova sede jamais foi conhecido por seu nome, somente por São Felipe. Novos passos para a criação do município de Carauari. Por Lei nº 641, de 26 de novembro de 1910, que revoga o artigo 4º da Lei de Reorganização Judiciária nº 333, de 14 de fevereiro de 1901, criou um novo termo judiciário na comarca do Município de Tefé, tendo por sede o lugar Xibauá, sendo este instalado pelo Juiz Municipal Dr. Luiz Alves da Costa. O termo judiciário de Xibauá passou a constituir o município deste nome, por Lei nº 683 de 27 de setembro de 1911, que também elevou a povoação à categoria de vila, sendo instalada pelo primeiro Superintendente Anastácio Cavalcante. Em virtude do Decreto nº 1006, de 27 de dezembro de 1912, a sede do município foi transferida para o lugar Carauari, que já havia sido sede do município de São Felipe. A Lei nº 173, de 25 de abril de 1913, muda o nome do município de Xibauá, para Carauari. A Lei nº 1126 de 5 de novembro de 1922, foi o Termo desmembrado de Tefé para ser anexado à comarca de São Felipe. Por projeto de 20 de setembro de 1928, dos deputados Raul Azevedo, Gentil Augusto Bittencourt, Anquises Cabral Raposa Câmara, Franklin Washington de Almeida, Análio de Melo Resende e Aprígio Martins de Menezes, convertido em Lei nº 1397, de 2 de outubro do dito ano, foi o de Carauari elevado à categoria de comarca, sendo instalada em 1º de janeiro de 1929, pelo Juiz de direito Dr. Alencastro Ramos e Silva. O Decreto nº 29, de 14 de novembro de 1930, do Governo Revolucionário, extinguiu a comarca e mandou anexar o termo judiciário de Carauari à comarca de São Felipe, atual João Pessoa (Eirunepé). Ato nº 28 do mesmo mês e ano, extinguiu o município e mandou anexa-lo ao de Tefé. O município readquiriu sua autonomia pelo Ato nº 234, de 6 de fevereiro de 1931. O Decreto Lei nº 68, de 31 de março de 1938, dando execução ao Decreto-Lei Nacional nº 311, de 2 do dito mês e ano, elevou a Vila de Carauari à categoria de cidade, com a mesma denominação, sendo instalada em 1º de janeiro de 1939. Limites • Município de Tefé • Município de Tapauá • Município de Itamarati • Município de Jutaí • Município de Juruá Localização: 4º Sub-Região – Região do Juruá Altitude: 30 m acima do nível do mar. Área Territorial: 25.324 Km² Temperatura Média: 23,3º C Acesso: Via Fluvial Distância • Em linha reta entre Carauari e a Capital do Estado, 780 Km. • Por via fluvial entre Carauari e a Capital do Estado, 1.676 Km. Atividades Econômicas • Setor Primário - Agricultura: baseada principalmente no cultivo da mandioca para a produção de farinha, seguindo-se abacaxi, arroz, batata-doce, cana-de-açúcar, feijão, fumo, milho, abacate, banana, côco, laranja entre as culturas perenes. Os demais produtos agrícolas não concorrem para a formação de renda do agricultor, pois são produzidos para a subsistência das famílias. - Pecuária: a criação de gado vem crescendo. - Pesca: a população do interior, tem no pescado sua principal fonte de alimentação, mas no presente momento não está sendo explorado como fonte de economia para os pescadores em virtude da falta de infra-estrutura para atender ao setor, mas mesmo assim a exportação de peixe liso e pirarucu, responde por uma parte da renda familiar de alguns trabalhadores do setor. - Avicultura: insignificante, sem nenhuma representatividade para o setor, restrita a criação de galinhas para o consumo familiar. - Extrativismo Vegetal: concentra-se principalmente na borracha, gomas não elásticas, madeira e castanha. - Extrativismo Mineral: baseia-se na prospecção de petróleo e gás natural através da PETROBRAS. • Setor Secundário - Indústrias: olarias, fabricação de móveis de madeira, serrarias, indústrias de madeira, embarcações e motores, panificadoras, usina de beneficiamento de arroz, fábrica de gelo e estaleiros. • Setor Terciário - Comércio: atacadistas e varejistas. - Serviços: postos de gasolinas, oficinas de reparos de autos e bicicletas e agências de bancos. Eventos • Procissões como a de São Sebastião (janeiro) • Corpo de Deus (4maio) • Assunção de Nossa Senhora (agosto) • São Francisco (outubro) • Nossa Senhora da Conceição – Padroeira do município (dezembro) Turismo • O município de Carauari é banhado pelo rio Juruá, considerado o mais sinuoso do mundo. É também um dos mais belos cursos d´água da região Amazônica. As suas margens apresentam aspecto selvático e atraente. • O local Xibauá está situado à margem esquerda do rio Juruá. É uma bela terra firme, elevada e plana.
Rua André Costa Pereira, 148 - Cep 69500 - 000 Tel. (97) 3491 - 1019 [1095] | Logar no Portal | Webmail